Archive for the ‘Notícias’ category

Detalhe de construção de uma Guitarra Portuguesa

Setembro 1, 2006

digitalizar0007v2.jpg

Anúncios

Instrumentos Musicais de Daniel Luz em exposição na Faceco de 2006 realizada em S.teotónio

Agosto 30, 2006

dsc_0226v2.jpg 

Campaniça de Daniel Luz exposta na Fil Artesanato de Lisboa

Agosto 30, 2006

fil.JPG

Encontro do CEDA debate diversas temáticas em Odemira

Agosto 18, 2006

“O 14º encontro do CEDA – Centro de Estudos Documentais – Memória Colectiva e Cidadania, que irá decorrer nos dias 10 e 11 de Setembro, no Auditório da Biblioteca Municipal de Odemira vai ter como temas centrais a cultura, o património, as tradições e o associativismo.

Esta edição vai decorrer sob o lema “ODE-MIRA; NAVEGANDO ENTRE VIOLAS CAMPANIÇAS”, reunindo especialistas e investigadores ligados à história, arqueologia, antropologia, associativismo e desenvolvimento local.Neste âmbito, serão apresentadas comunicações sobre o património histórico e arqueológico, sobre artesanato, a viola campaniça e o canto ao baldão, mas também sobre o cruzamento entre o património ambiental e as actividades turísticas e a intervenção do associativismo.

Em paralelo ao programa científico e de debate, estão previstas diversas iniciativas de animação, que passam por visitas guiadas aos núcleos antigos de Vila Nova de Milfontes, Odemira e Colos e à Ermida de Nossa Senhoras das Neves.
Além disso, está previsto um workshop sobre a viola campaniça, no qual participam Amílcar Martins e Daniel Luz, dois construtores deste tradicional instrumento que quase desapareceu na nossa tradição musical. Estando agendada também animação musical com as actuações do Grupo Coral de Vila Nova de Milfontes, Grupo de Violas Campaniças e Cante ao Baldão.

Este encontro é organizado pelo CEDA e autarquia de Odemira, contando com os apoios das Juntas de Freguesia de Colos, S. Salvador, S. Martinho das Amoreiras e Vale de Santiago, bem como da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo de Odemira.

O CEDA foi criado em 2000, como ponto de encontro e de comunicação para a defesa, preservação e divulgação do Alentejo, e de contribuição para o desenvolvimento da região.
Assim sendo, entre as diversas iniciativas conta-se a realização de 13 encontros temáticos e a participação, em parceria com as Edições Colibri, na colecção “Memória e Escrita Alentejana”, de que já saíram cinco títulos.
Além disso, este publica ininterruptamente, desde 2001, a revista “Memória Alentejana”, distribuída nomeadamente por todo o Alentejo e Área Metropolitana de Lisboa, sendo cada número dedicado a um concelho ou a um tema concreto.”

Fonte: Link – Alentejo Press

Odemira celebra jornadas com violas campaniças e canto ao baldão

Agosto 18, 2006

“A viola campaniça, instrumento característico da zona serrana do distrito de Beja, e o canto ao baldão vão levar a música ao Castelo de Milfontes (Odemira), sábado, por ocasião das Jornadas Europeias do Património. 
 
“Há música na Barbacã” é a designação da iniciativa com que a Câmara de Odemira se associa a mais uma edição das Jornadas Europeias do Património que, este ano, em Portugal, decorrem sob o lema “A Música (en)canta o Património”.

No Alentejo, nove municípios da região constam do programa nacional deste evento, promovido anualmente pelo Conselho da Europa e a União Europeia e que é assinalado sábado e domingo.

Em Odemira, a viola campaniça é a grande “protagonista” das comemorações, já que o município pretende aproveitar a ocasião para, além de “focar” o Forte de S. Clemente, em Vila Nova de Milfontes, enaltecer também aquele instrumento.

Os visitantes que, no sábado, quiserem aprender os truques e segredos deste tipo de violas, antigamente tocado em todo o Alentejo e na zona serrana do Algarve, podem participar, a partir das 17:30, numa oficina de construção com o artesão Daniel Luz.

“Esta tradição violinística abandonou o campo que lhe deu o nome e resistiu ao tempo apenas na zona serrana, restando poucos tocadores e ainda menos construtores da campaniça”, realça a autarquia.

Ainda assim, acrescenta a edilidade, nos últimos anos, a viola e o tipo de cantares que, desde sempre, acompanhou as suas notas musicais, sob a forma de canto ao baldão, “conheceram uma singular recuperação”.

O interesse de investigadores , associações e autarquias é apontado como o responsável pela inversão dessa tendência de desaparecimento.

Além da oficina de construção, os visitantes do Castelo de Vila Nova de Milfontes poderão também assistir aos tocadores em acção, com a actuação do Grupo de Violas Campaniças da Freguesia de S.Martinho das Amoreiras, Odemira.

O canto ao baldão, uma das práticas de cantares ao desafio típicas do Alentejo, em que se cantam letras previamente preparadas, vai “brilhar” no espectáculo, marcado para as 18:00, e com a participação também de outros quatro cantadores e mais um tocador.

A par de Odemira, na região do Alentejo aderem ainda às Jornadas Europeias do Património outros cinco concelhos do distrito de Beja, assim como dois da região de Portalegre e um do Litoral Alentejano.

Alvito, Almodôvar, Avis, Castelo de Vide, Mértola, Santiago do Cacém, Serpa e Vidigueira são as terras alentejanas onde a música se vai “encantar” o património.”

Fonte: LinkAgência LUSA 2005-09-23

Instrumentos Portugueses tocam em todo o Mundo

Agosto 18, 2006

jornal-metro.jpg

“Carpinteiro já vendeu violas para a Alemanha, França, Inglaterra e Holanda.A vontade de tocar para acompanhar os amigos levou Daniel Luz a aprender, há meio século, um ofícioque se traduz hoje no fabrico anual de 30 instrumentos de corda e que satisfaz encomendas de vários cantos do mundo. “Naquela altura, não existiam os divertimentos que há hoje e juntávamo-nos para tocar e cantar”, disse Daniel Luz à Lusa, lembrando que “a quase inexistência e o preço dos instrumentos” o levaram a tentar construir o seu próprio bandolim. O primeiro “é claro que saiu mal”, mas a vontade e gosto pela música
acabaram por lhe aperfeiçoar o ofício. “Aprendi sozinho, mas fui aperfeiçoando, observando os instrumentos e falando com os músicos”, garantiu, orgulhando-se de hoje ter os seus próprios desenhos e moldes para a construção de todos os instrumentos de corda.

Carpinteiro de profissão, reformado há dois anos, Daniel Luz constrói anualmente cerca de 30 instrumentos de corda, entre violas clássicas e campaniças e guitarras portuguesas, além das aulas de formação profissional que ainda dá na área da construção civil. Já vendeu violas para a Alemanha, França, Inglaterra e Holanda e muitas para portugueses, especialmente violas campaniças. “São violas com um formato e forma de tocar diferente”, e que se diferencia pelo uso de cordas de latão em vez de aço, disse Daniel Luz, um dos poucos ainda a construí-las.”

Carla Pote, Lusa. – 13 Fevereiro de 2006

Fonte : Link – Jornal Metro 

14º Encontro do CEDA realiza-se este ano em Odemira

Agosto 17, 2006

“O auditório da biblioteca municipal de Odemira foi o palco escolhido para receber nos dias 10 e 11 de Setembro o 14º encontro do Centro de Estudos Documentais (CEDA), onde vão estar em foco, a cultura, o património, as tradições e o Associativismo em Odemira.

Sob o lema “Odemira; Navegando entre Violas Campaniças” este encontro vai reunir especialistas e investigadores ligados à história, arqueologia, antropologia, associativismo e desenvolvimento local que apresentam comunicações sobre o património histórico e arqueológico, sobre artesanato, a viola campaniça e o canto ao baldão, mas também o cruzamento entre o património ambiental e as actividades turísticas e a intervenção do associativismo.

Para além do programa científico e de debate, são também promovidas diversas iniciativas de animação, como visitas guiadas aos núcleos antigos de Vila Nova de Milfontes, Odemira, Colos e à ermida de Nossa Senhora das Neves. Haverá um workshop sobre a viola campaniça, com a participação de Amílcar Martins e Daniel Luz, dosi construtores deste instrumento tradicional e ainda animação musical com as actuações do Grupo Coral de Vila Nova de Milfontes, Grupo de Violas Campaniças e Cante ao Baldão.”

Fonte: Link – Mirasado